Pular para o conteúdo principal

Balanço do Centenário

Falar o que sobre o ano do centenário corinthiano? Fiasco do começo ao fim, com direito a chave de ouro. No Paulistinha não ficou nem entre os 4 melhores, o que era obrigação. Na Libertadores, ser desclassificado pelo ridículo e desorganizado time do Flamengo nas oitavas foi simplesmente patético. Obrigado, Mano Menezes! No Brasileirão, aquelas 7 partidas sem vitória, com o Adilson Batista achando que o Moacir era Rincon e o Thiago Heleno era Gamarra, puseram uma pá de cal nas remotíssimas esperanças de um título em 2010. E os caras ainda tiveram a moral de empatar com o poderosíssimo time C do Goiás na última rodada, o que obriga o Timão a jogar a tal pré-Libertadores. Já imaginaram a secação generalizada que vai ser isso??? Medo…

Mas o discurso ensaiado para os anti-corinthianos é vender a agenda positiva que não é levada a sério nem por nós mesmos: campeão da Fórmula Truck (corrida de F1 já acho um saco, imagine de caminhão…), maior arrecadação em 2010, 8º maior patrocínio em todo o mundo, estudo dizendo que a torcida superou a do Flamengo, estádio em Itaquera, abertura da Copa do Mundo

Por falar em estádio e Copa do Mundo, enquanto tem corinthiano delirando, nenhum dos assuntos me anima. Se eu fosse dono de construtora ou parente do Ricardo Teixeira talvez a coisa fosse diferente, mas verdade é que na minha vida de torcedor não muda absolutamente nada meu time "ter estádio" ou abrir a Copa do Mundo. Melhor dizendo, muda pra pior, pois assistir um jogo no Pacaembu com absoluta certeza é mais agradável do que no "Itaquerão", por mais moderno e sofisticado que ele venha a ser (caso saia do papel, é bom frisar). Isso sem entrar no mérito dos escândalos que certamente vão estourar durante a construção. Afinal, há uma infinidade de quintas intenções nessa história de estádio e é certo que algumas dezenas delas vão acabar contribuindo de alguma maneira para manchar a imagem do Timão fora de campo, já bastante maculada por Dualib, Kia, Nesi Cury e companhia.

Enfim, o negócio é adotar a única parte da agenda positiva que tem algum fundamento técnico-científico (a de que o centenário do Timão só acaba no dia 31/08/2011) e rezar para que o ano que vem seja sofrido e não sofrível como foi 2010.

Comentários