Pular para o conteúdo principal

A primeira polêmica da Copa já tem nome: Jabulani

Há 15 dias do início da Copa do Mundo de 2010 começou uma polêmica a respeito da qualidade da bola oficial a ser utilizada na competição. Atletas de várias seleções diferentes vêm classificando a tal Jabulani  como "instável", "sobrenatural", "bola de supermercado" e até "podre". Na prática, a reclamação geral é de que a bola é muito leve e muda de direção inesperadamente, às vezes mais de uma vez durante o mesmo trajeto.

Como a fabricante da bola é a Adidas, especulou-se que as críticas vinham de atletas que usam material esportivo de empresas concorrentes (Nike, por exemplo) exclusivamente para depreciar o produto da marca rival. Mas hoje leio no Estadão que até o goleiro do Real Madrid e da seleção espanhola, Iker Casillas, está descendo a lenha na bola, sendo que tanto o time merengue quanto a Fúria usam material esportivo da Adidas há séculos. Outro sinal de que deve haver algo realmente esquisito com esta bola é o fato de que até os atacantes estão reclamando. Goleiro reclamar de bolas novas é comum, até porque o trabalho deles fica mais difícil. Já os responsáveis por marcar gols geralmente comemoram a adoção de bolas mais "rápidas" e "leves".

Por outro lado, é difícil de acreditar que uma empresa multinacional do porte da Adidas, que fornece as bolas para a Copa do Mundo desde 1970 (veja quadro abaixo), tenha pisado tanto assim no próprio produto. Além disso, é estranho que esta bola tenha sido apresentada ao mercado há ao menos uns 6 meses e somente agora começaram as reclamações.
Fonte das imagens utilizadas na montagem: SoccerLens.

Enfim, está chegando a hora da gorduchinha rolar pelos gramados sul-africanos e só então saberemos se a chiadeira tem algum fundamento. O certo é que se um evento desta magnitude for prejudicado por problemas com a estrela estrela maior da competição, sua majestade a bola, o fiasco será gigantesco.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A gota d'água entre Benja e Portuga

Desde 2003 ouço no final da tarde com certa regularidade o programa Estádio 97, da rádio Energia 97 (97.7 FM), que está no ar de 1999. Ideal para quem gosta de futebol e pega o trânsito caótico de São Paulo. Para quem não conhece, o programa tem vários integrantes que mantém uma conversa bem descontraída por duas horas e meia de segunda a sexta-feira (das 18:00 17:30 às 20:30 20:00), cada um defendendo o seu clube do coração. Além da descontração, volta e meia surge algum furo interessante ou uma ótima entrevista, pois quase todos são bem informados e relacionados.
Há alguns meses notei que dois dos integrantes não estavam mais dirigindo a palavra um ao outro durante o programa. No começo achei que era só coincidência, mas depois vi que a coisa era pra valer mesmo: Benja (Benjamin Back) e Portuga (Gilberto Rodriguez) não se falam.  Sempre deu para perceber que o relacionamento entre os dois não era tão bom quanto o mantido por eles com o resto do pessoal, mas não trocarem um único &q…

Recebeu um boleto do Anuário de Marcas e Patentes?

O Cortissa interrompe sua programação leve e descontraída para prestar um serviço de utilidade pública.
Se você recebeu um boleto para "renovação imediata no Anuário de Marcas e Patentes" (sic) como o reproduzido abaixo e está na dúvida se deve pagá-lo, está no lugar certo.
Ao contrário do que alguém na correria do cotidiano pode pensar num primeiro momento, este "Anuário de Marcas e Patentes" não tem nada a ver com o registro da sua marca junto ao INPI e se o boleto não for pago você e sua empresa não sofrerão prejuízo algum. Muito pelo contrário.
O "serviço" oferecido em contrapartida ao pagamento do boleto, na verdade, é a divulgação dos dados da sua empresa em um suposto anuário, que muito provavelmente não existe. E, se existe, certamente não vale a pena desembolsar quase R$ 200,00 para fazer propaganda num veículo absolutamente desconhecido em todo o Brasil. 
Os termos "renovação" e "renovação imediata" são empregados apenas par…

Conselho de amigo sobre verrugas (imagens chocantes)

Há uns dois anos começaram a aparecer umas verrugas na minha mão, mas não dei a menor bola. Afinal, eram minúsculas e a metrossexualidade passou longe da minha pessoa. Nunca fiz as unhas (aliás, a Cristal Nails deve está com saudades de você, Paulão!), limpeza de pele ou outrasboiolagens outros tratamentos estéticos do gênero. Tomo banho quase todos os dias (no inverno, às vezes, - frise-se o às vezes -  eu falto mesmo) e faço a barba com relativa frequência para cumprir convenções sociais e porque quando cresce além de um certo ponto coça pra caramba.

Ocorre que as malditas começaram a aumentar bastante ultimamente e acabei tendo que ir a um dermatologista pela primeira vez na vida, ao 37 anos de idade. Consultei o meu convênio e marquei uma consulta na clínica mais perto de casa. Mulheres esperando para fazer aplicação de botox, adolescentes todos esfolados por peelings e eu lá, com as minhas verrugas. Para tranquilidade e divertimento da Lá, dentre todas as médicas loiras bronzeadas…