Pular para o conteúdo principal

Avacalharam o gol de mão

Muitos jogadores de futebol já fizeram gol com a mão, coisa que até as meninas sabem ser contra as regras. O mais famoso de todos foi o marcado por Maradona contra a Inglaterra na Copa de 1986, na mesma partida em marcou aquele gol antológico, depois de driblar meia duzia de ingleses, literalmente.

E temos outros exemplos bem mais recentes: Adriano, atualmente no Flamengo, já fez um quando jogava na Inter de Milão e outro jogando pelo São Paulo, no clássico contra o Palmeiras; André Lima fez um há alguns meses atrás pelo Botafogo contra o Corinthians. E quem puxar pela memória vai lembrar de pelo menos mais uns 10.

Todos, com raríssimas exceções, foram validados graças à combinação entre malícia do atacante e rapidez do lance, capaz de confundir até o mais atento dos árbitros. Afinal, a maior parte dos lances que originam gols de mão, para ser detectada, geralmente precisa ser analisada em câmera lenta, por diversos ângulos, ad nauseam.

Mas "neste país", onde já avacalharam a aviação, o Congresso Nacional e até o Supremo Tribunal Federal, entre outras coisas, é claro que mais dia menos dia também iriam avacalhar o gol de mão. Dêem uma olhada na "discrição" do centroavante do Paraná, Washington Silva, ao mandar a bola para o fundo das redes em partida contra o Ceará pela Segundona do Brasileirão 2009 (por volta dos 20 segundos do vídeo). A sutileza é de mamute.



O detalhe é que logo após o lance a auxiliar ergueu a bandeirinha assinalando a irregularidade e conversou com o árbitro Charles Hebert, mas mesmo assim este confirmou o tento.

Dizem as más línguas que se o Toffolli não for aprovado na sabatina do Senado, "Ray" Charles Hebert pode ser o plano B do presidente Lula para a cadeira vacante do STF. Pelo menos juiz ele já é.

Comentários